Total de visualizações de página

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

EM NOME DO PAI E DA FILHA: O ERÓTICO E O PORNOGRÁFICO NA ARTE CHINESA

AMOR E ARTE: A EXCLUSÃO ÉTICA DA FALSA MORAL. O artista é um "fingidor" que ama sua arte tão completamente quanto o pai que ama sua prole, de forma pura, fraterna, sincera e singela; então, como criticar o ato do pintor chinês Li Zhuangping, que tem escolhe os personagens para suas telas entre fêmeas e animais, transformados por seus pincéis em ícones eróticos de ninfas ao lado de feras? Infoimagem Firefox Terra disponível em: ChinaSmack Ao utilizar a imagem de sua filha nua como fonte de inspiração, Li Zhuangping arrepiou os brios da falsa moral e da ética puritana, baseadas nos bons costumes, nem sempre transparentes como suas telas. A polêmica vem da China. Um poste no ChinaSmack de 02 de fevereiro de 2009, mostra as obras do artista, que escolheu sua filha como modelo para sua arte. Exercite seus conhecimentos na língua chinesa: a notícia original, em vídeo, está no canal chinês NetEase - news - http://www.163.com/, e já atravessou os quatro cantos do mundo, enlaçada pela www, que nos oferece veredas à informação e ao conhecimento por meio do exercício democrático da comunicação como revolucionária na libertação dos povos da Terra. No portal de notícias culturais "Terra" lemos: "A mulher do pintor diz que até sente uma "inveja boa" da filha, que é capaz de utilizar a beleza como uma forma de captar a sua juventude. Uma oportunidade que a mãe diz que, infelizmente, não teve quando era tão jovem e bonita". Isso é sinal de que os tempos mudam, bem como as vontades, a lembrar nosso velho Camões. Nonada.

2 comentários:

Ana Paula disse...

Paulo. Parece-me estranho. Mas não sou eles, nem sou chinesa, nem conheço as acordos internos daquela família. Se estiverem felizes e se as obras forem expostas em locais que emocionem mais que escandalizem, tá tudo certo. Mas, há algo que me deixou desanimada, a fala da mãe quando associa a beleza á juventude. Será mesmo que a humnidade vai se reduzir a isso? Não teríamos passado da hora de realizarmos camapnhas pela beleza do "velho"? Estou cansada. Beijo.

Paulo Lessa disse...

Paulana, faço uma ressalva ao poste: a fala da mãe e a tradução (leitura, interpretação) são do portal Terra, portanto não refletem o aspecto "glocal", como vc bem mostrou.
Deveríamos aprender o mandarim.Gostaria de escutar as vozes do mundo desde seu próprio lugar, sem as distorções e deturpações da globalização.