Total de visualizações de página

terça-feira, 11 de maio de 2010

Biné


"Hasta la vitória, siempre!": contra o pensamento único.

Imagen de lessa.paulo
"Bunda de mulata, muque de peão". Cantou Caetano, um carnavalesco alegre, um brasileito nato.
O carnaval brasileiro se confunde com o território nacional, mapeado por lentes e flashes frenéticos e atentos d@s operári@s das multi-mídias. O preço pela segurança individual é caro; o carro alegórico da corrupção é grotesco e passa rápido, despercebido nos desfiles quixotescos assistidos por políticos e pop stars. E o povo? Resiste como pode no carnaval de rua.
Tragédia banal: O corpo de uma criança, entre seis e oito anos, é encontrado no centro do Rio de Janeiro; a criança possuia apenas a peça de cima de sua fantasia - a violência sexual, banalizada pela barbárie social, que avança com o "pensamento único" do neoliberalismo, enfeitou o que sobrou de seu corpo pequenino que, não identificado, aguarda, no Instituto de Medicina Legal, o reconhecimento ... se não tiver família, e nem passado, será enterrado como indigente.
Falamos de um corpo morto de uma criança. Outro corpo, vivo, de outra criança, também gerou polêmica no desfile do Sambódromo do Rio - A justiça decidiu liberar a criança para o desfile pois o espetáculo não pode parar.
Joãozinho trinta, desfila sentado no trono da da Escola de Samba Beija Flor de Nilópolis- RJ; a saúde não lhe permite dançar na escola que o popularizou nos anos 80 com a célebre frase: "Pobre quer luxo, quem gosta de pobreza é intelectual". Ironia que se tornou fato. Os intelectuais hoje não sobem o morro. Pesquisas acadêmicas de mestrado, doutorado etc. são respondidas por email, com pesquisadores acompanhados pela polícia ou pelo comando paralelo dos narcotraficantes.
Dia desses, o ex-ministro Delfim Neto afirmou no jornal Folha de São Paulo que o Brasil em 2050 será um país de velhos e pobre. O nosso experiente professor não deixa de ter alguma razão, pois, hoje nos preparamos para a organização de mega eventos, espetáculos internacionais, para garantir o turismo seguro, enquanto escolas e saúde pública são sucateadas; velhos sobreviverão com os avanços tecnológicos da medicina, as famílias das elites já limitam o número de seus rebentos e a juventude pobre não conta com o conhecimento e a sabedoria; tem como exemplo a ética de nossos políticos do governo, só que não enfiam massos de dinheiro pelas cueca e meias, diante de câmeras ocultas, roubam celulares, jóias e o sossego dos cidadãos pelas ruas e becos das cidades, às claras e às escuras.
Nossos políticos são exemplares no nefasto "jeitinho brasileiro", dão exemplos aos bandidos das classes pobres e ricas, que não escolhem suas vítimas entre crianças e velhos, homens ou mulheres, atletas ou morimbundos.
Em tempos de neoliberalismo o que importa é "levar vantagem", como dizia o jogador da selelão brasileira, Gerson, nos anos 70. Anos de chumbo em que vozes de liberdade e justiça foram silenciada nos porões da ditadura militar, capitaniada pelo pensamento único do neoliberalismo multinacional.
Agora a certeza está no aquecimento solar e nas crianças de nosso tempo que têm o privilégio de desenvolver suas idéias e pensar, pensar a história de seu tempo.

Um comentário:

ModeloBrasil disse...

Sou Pernambucano e estou tendo que assistir todo dia Marco Maciel dizer que ele ama Pernambuco. Ora, passa três anos e meio promovendo a indústria da seca através de construtoras “laranja” por superfaturamentos e em época eleitoral utiliza esses superfaturamentos para cobrar votos de sertanejos ? E ainda dizer que ama Pernambuco ?
http://modelobrasil.wordpress.com/